Banner topo – Armazém do povo Banner Topo -Virtex Telecom Banner Governo do Estado
Rede Brasil

OAB proíbe ostentação de advogados nas redes sociais

em 23 de setembro de 2021

Imagem Reprodução

Na atual era da sociedade líquida em que vivemos, tornou-se comum ostentar nas redes sociais, na busca incansável de se exibir, em uma versão melhorada de si mesmo.

A ostentação, definida pelo dicionário como “ato ou efeito de ostentar/ ato de fazer alarde de si mesmo ou de algo que é seu/ exibição de luxo, poder ou riqueza/ fanfarrice e exibição”, cria uma realidade paralela a do indivíduo, onde a imagem e realidade não correspondem uma à outra.

Muitos dos casos de adoecimento mental, depressão, bulimia e anorexia, são causados pela convicção de que tudo que vemos na timeline, é o que realmente acontece na vida alheia, transformando a sua própria vida em desinteressante.

No sentido contrário do que vem acontecendo, o Conselho Federal da OAB decidiu regulamentar a ostentação nas redes sociais por parte de advogados e advogadas.

No provimento 205/2021, publicado pela OAB, no parágrafo único do artigo 6º: “Fica vedada em qualquer publicidade a ostentação de bens relativos ao exercício ou não da profissão, como uso de veículos, viagens, hospedagens e bens de consumo, bem como a menção à promessa de resultados ou a utilização de casos concretos para oferta de atuação profissional”.

A OAB proibiu a ostentação, terminantemente em qualquer publicidade ou rede social.

Relativo a profissão ou não, o profissional não poderá ostentar, carros, motos, viagens, ou qualquer outro bem de consumo.

Exigindo uma imagem sóbria e discreta do advogado, ostentar vai contra todas as diretrizes de imagem da OAB.

A nova norma realmente será aplicada, ou cairá em desuso como muitas outras leis no Brasil? Ainda não sabemos, mas já existem vários argumentos com a capacidade de gerar polêmica, como: dentista pode. médico pode, por que o advogado não pode?

Com esta alteração, todos os advogados terão que rever seus conceitos e mudar suas atitudes.

Fonte: Jornal Contabil

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados para esta matéria.