Banner topo – Estado Piauí Banner ZapNet – Topo Banner topo – Rede Brasil Aluguel de Carros
Rede Brasil

Temer é reprovado por 84% dos brasileiros, diz pesquisa

Do total de entrevistados, apenas 2% consideram a gestão do peemedebista como ótima ou boa.

em 25 de julho de 2017

Presidente Michel Temer no Palácio do Planalto (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Levantamento do Instituto Ipsos divulgado nesta terça-feira (25) mostra que a impopularidade do presidente Michel Temer (PMDB) está cada vez maior: o governo do peemedebista é classificado como ruim ou péssimo por 85% dos brasileiros, um novo recorde.

Para chegar ao resultado, a pesquisa ouviu 1.200 pessoas de 72 municípios entre os dias 1 e 14 julho – a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Do total de entrevistados, apenas 2% consideram a gestão atual como ótima ou boa. Outros 11% classificam o governo como regular e 2% não responderam.

“O levantamento confirma os altos índices de desaprovação do governo federal e do presidente Michel Temer. Identificamos que os efeitos da crise política e da delação premiada de Joesley Batista ainda se mantêm. Esse quadro tende a se manter nos próximos meses com a pauta do aumento de impostos e dos combustíveis”, diz Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs, em nota.

Além disso, a pesquisa analisou a popularidade de políticos e personalidades públicas. Os mais populares são: o juiz Sérgio Moro (64%), o apresentador Luciano Huck (45%), o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa (44%), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (29%), a presidente do STF, Cármen Lúcia (28%), e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot (24%).

Por outro lado, entre os mais impopulares estão o próprio presidente Michel Temer (94%); Eduardo Cunha (93%); o senador Aécio Neves (90%); o senador Renan Calheiros e a ex-presidente Dilma Roussef aparecem empatados com 80%, e o senador José Serra (75%).

A pesquisa também revela que, para 95% dos brasileiros, o país está no rumo errado.

Estadão via Exame

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados para esta matéria.