Banner topo – Estado Piauí Banner topo – Rede Brasil Aluguel de Carros
Rede Brasil

Enfermeiros da cidade de Picos e região percorrem ruas em manifesto contra a liminar do Conselho Federal de Medicina (CFM)

em 11 de outubro de 2017

Manifestação nas ruas de Picos. Foto: Jucelma Sales

Usando preto como de forma de expressar luto pela classe, enfermeiros, professores, acadêmicos de Enfermagem e apoiantes da causa percorreram as ruas de Picos na manhã desta terça-feira (10), em protesto contra a liminar motivada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). O ato iniciou em frente ao Hospital Regional Justino Luz, finalizando na Praça Felix Pacheco, no Centro de Picos.

A manifestação procurava chamar a atenção da população em relação a essa liminar que impossibilita o enfermeiro de exercer diversas atribuições na Atenção Básica de Saúde , tornando-as funções exclusivamente dos médicos.

De acordo com o vice- presidente do Conselho Municipal de Saúde, Eduardo Carvalho,  essa manifestação é uma luta em prol da  sociedade e da classe dos enfermeiros.

“ A população  que precisa da saúde pública e que utiliza as Unidades Básicas de Saúde  vai ter dificuldade ao acesso,  saindo prejudicada e sem assistência. E estamos hoje fazendo esse manifesto,   lutando por nossos direitos de profissionais de enfermagem, e com isso queremos reconhecimento e fazendo com que a nossa classe não acabe.” pontua Eduardo.

O acadêmico de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí (UFPI), residente na cidade Oeiras-PI, Eduardo Blanche falou da importância de um protesto como esse. “Essa manifestação serve para construir a imagem e a  valorização que perdemos com essa nova lei. E queremos unir forças juntamente com a comunidade acadêmica, professores,  profissionais de enfermagem e toda população para lutar em beneficio da sociedade”, disse Eduardo Blanche.

A liminar que inibe a atuação dos enfermeiros na  Unidade Básicas de Saúde foi motivada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), alegando que as tarefas desenvolvidas pelos enfermeiros são de exclusividade dos médicos.

Fonte: Ascom/Agoraed

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados para esta matéria.