Banner topo – Rede Brasil Aluguel de Carros Banner topo – Armazém do povo Banner Topo -Virtex Telecom
Rede Brasil

Jair Bolsonaro declara que não insultou primeira-dama da França

em 27 de agosto de 2019

Foto: Antonio Cruz

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira que não ofendeu a primeira-dama da França, Brigitte Macron , ao endossar um comentário em sua página no Facebook que zombava dela. Bolsonaro diz que falou para um seguidor seu não “falar besteira” e destacou que não se mete na “questão pessoal”.

O comentário ocorreu em meio a uma discussão pública com o presidente francês, Emmanuel Macron, que classificou o gesto de Bolsonaro como “triste” e sugeriu que o brasileiro não está à altura do cargo que ocupa. No sábado, um seguidor postou foto dos casais Macron e Bolsonaro em uma publicação do presidente brasileiro no Facebook, com a legenda: “Agora entende por que Macron persegue Bolsonaro?” O perfil do presidente respondeu: “Não humilha cara. Kkkkkkk”.

— Eu não botei aquela foto. Alguém que botou a foto lá e eu falei para ele não falar besteira. Não quero levar para esse lado. Questão pessoal, familiar, eu não me meto. Respeito o cara para não entrar nessa área — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Após ser questionado sobre o teor do seu comentário, o presidente disse que encerraria a entrevista caso as perguntas sobre o caso persistissem:

— Se é para continuar pergunta nesse padrão, vai acabar a entrevista. Vai acabar a entrevista.

Com novos questionamentos, Bolsonaro chegou a dizer que seu comentário pedia para o seu seguidor “não insistir nesse tipo de postagem”, mas logo em seguida deixou o local.

— O meu comentário é para não insistir nesse tipo de postagem. Centenas…Tchau para vocês. Realmente, o jornalismo…Vocês não merecem a consideração.

Especialistas em relações internacionais ouvidos pelo GLOBO disseram que o comentário de Bolsonaro sobre a mulher do presidente francês é um gesto sem paralelo nas relações internacionais, sobretudo entre países aliados.

—  Quando se é um líder, não se faz isso, não se ataca a mulher, mas ideias. Isso irritou bastante Macron —  disse Christian Lequesne, do Centro de Pesquisas Internacionais de Paris.

O diplomata aposentado Marcos Azambuja, que foi embaixador do Brasil em Paris de 1997 a 2003, sugeriu que o presidente peça desculpas à primeira-dama francesa:

— Cortesia de gestos e de palavras é importante. Pedir desculpas a uma senhora que você possa ter ofendido é necessário — afirmou Azambuja. — A diplomacia é feita de linguagem e civilidade. Houve uma perda da qualidade da linguagem nessa relação que não traz benefícios a ninguém e gera uma animosidade que é o oposto do que a diplomacia busca.

Na mesma entrevista, Bolsonaro afirmou que só aceitará discutir o recebimento da  oferta de US$ 20 milhões dos países do G7 para ajudar no combate às queimadas na Amazônia se o presidente da França, Emmanuel Macron, voltar atrás em sua afirmação de que Bolsonaro mentiu para ele e desistir de discutir a internacionalização da Amazônia.

— Primeiramente, o senhor Macron tem que retirar os insultos que faz à minha pessoa. Ele me chamou de mentiroso. Depois, pelas informações que eu tive, a nossa soberania está em aberto na Amazônia. Para conversar ou aceitar qualquer coisa com a França, que seja com as melhores intenções possíveis, ele vai ter que retirar essas palavras — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada, acrescentando depois: — Primeiro retira, depois oferece, daí eu respondo.

Fonte: Meio Norte

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados para esta matéria.